jco

João Carlos Oliveira

CEO

Licenciado em Economia com pós-graduação em Estudos Europeus, começou por trabalhar na Philips Portuguesa. Em 88 mudou-se para a publicidade e entrou na J. Walter Thompson. Passou para a Euro RSCG onde ficou até 97.

Ler mais

Licenciado em Economia com pós-graduação em Estudos Europeus, começou por trabalhar na Philips Portuguesa. Em 88 mudou-se para a publicidade e entrou na J. Walter Thompson. Passou para a Euro RSCG onde ficou até 97. Foi Director Geral da Bates Portugal até 2006, altura em que assumiu o lugar de CEO da Young & Rubicam Portugal, que ocupa até hoje.

Antes da publicidade trabalhou numa livraria , 5 meses na CEE, fez e apresentou programas para a televisão, entre eles a “montra de livros” na RTP2 que lhe valeu na altura a alcunha de “monstro dos livros”.

Hoje, com a  paciência de um chinês de 50 anos, gosta de pescar. Com a impaciência de um miúdo de 20 anos, gosta de surfar nas ondas e na neve. Também faz Windsurf, Kart  e Mountain Bike.

O seu maior vício é a  curiosidade. E a sua cidade de eleição é Roma, onde já lavou pratos num restaurante. Tem 4 filhos e um Bonsai da idade dele.

E quando era miúdo, lá no bairro, só o deixavam jogar futebol, porque era ele o dono da bola. E mesmo assim tinha de “ir à baliza”.

Fechar
E-mail
J

Judite Mota

Diretora Criativa Executiva

Nasceu em Santarém mas nunca se sentiu ribatejana. Estudou dança no Conservatório mas nunca se tornou bailarina. Tem uma licenciatura em Comunicação Social e nunca foi jornalista.

Ler mais

Nasceu em Santarém mas nunca se sentiu ribatejana. Estudou dança no Conservatório mas nunca se tornou bailarina. Tem uma licenciatura em Comunicação Social e nunca foi jornalista.

Uma coincidência e a total ignorância acerca do que era a comunicação comercial levaram-na a um estágio na DDB onde finalmente descobriu o que queria fazer. Em dois meses passou de estagiária a redatora júnior e desde então nunca mais deixou os departamentos criativos. Saiu da DDB para a O&M e daí para a Y&R. Troca uma grande agência por uma acabada de nascer e ajuda a fazer da desconhecida Nova Publicidade uma das mais premiadas da época. Depois recebe um convite para se tornar partner e directora criativa da Bates Portugal e ainda que esteja grávida de 8 meses e nunca tenha ouvido falar da Bates Portugal aceita. Quando a Bates começa a dar que falar uma fusão trá-la de volta à Y&R .

Já trabalhou contas nacionais e internacionais em quase todos os sectores de actividade, dos automóveis ao papel higiénico, dos bancos às ONGs.

Fez o Curso de Criatividade O&M em NY, fez parte do Worldwide Creative Board da Bates, participou em Task Forces internacionais. Participou em muitos júris como Cannes Lions, El Ojo de Iberoamerica, El Sol, Fiap, Festival de Nova iorque e Cresta Awards dos quais é jurada permanente. Em Portugal foi presidente do júri do Clube de Criativos de Portugal e mais tarde Presidente do mesmo Clube durante 4 anos.

Foi premiada nos mais importantes Festivais de criatividade nacionais e internacionais. Escreve artigos para a imprensa especializada que entrega sempre em cima do deadline.

É uma leitora compulsiva e além de livros colecciona nomes pessoais ironicamente ligados à profissão do próprio.

Fechar
E-mail
pf

Pedro Ferreira

Diretor Criativo Executivo

Nasceu em Setúbal em 64, ano em que nada verdadeiramente espetacular aconteceu na cidade do Sado. Depois de anos a tentar jogar Basquetebol em vez de aprender futebol com José Mourinho, que já organizava o inter-turmas no Liceu de Setúbal, decidiu que o futuro não passaria pelo desporto mas sim pelo desenho, arte que pareceu herdar da mãe.

Ler mais

Nasceu em Setúbal em 64, ano em que nada verdadeiramente espetacular aconteceu na cidade do Sado.

Depois de anos a tentar jogar Basquetebol em vez de aprender futebol com José Mourinho, que já organizava o inter-turmas no Liceu de Setúbal, decidiu que o futuro não passaria pelo desporto mas sim pelo desenho, arte que pareceu herdar da mãe.
Antes de iniciar a carreira no mundo da publicidade teve uma breve passagem por Paris, onde teve o 1º contacto com esse mundo. Em Portugal eram os tempos do “Feno de Portugal” e do “Um Corneto pra mim um Corneto para ti”. Em Paris Jacques Seguela produzia anúncios épicos para a Citroen em porta-aviões. Foi aí que decidiu que seria esta a profissão que queria para o seu futuro, abandonando a ideia pueril de estudar banda desenhada em Angouleme.

Mas antes de entrar no mundo das agências ainda teve tempo para colaborar como designer gráfico e ilustrador na Revista Grande Reportagem. Mais importante que a experiência do 1º trabalho na área foi o facto de trabalhar ao lado de José Manuel Barata-Feyo e Miguel Sousa Tavares num projeto editorial.

Profissionalmente iniciou-se na Ciesa Norman Craig & Kummel. Como maquetista. Como toda a gente.

Aprendeu o que era um rough, um layout e um packshot, mas foi na Ogilvy&Mather como visualizador, o prelúdio do diretor de arte que aprendeu que o essencial é a ideia. No inicio dos anos 90 achou que tinha que sair de Portugal, que tinha que continuar a aprender. Passou um ano em Amesterdão.

Trabalhou como freelance para a japonesa Hakuhodo e na agência holandesa de Ondernemers. Voltou a Portugal em 96 para integrar o departamento criativo da Young & Rubicam onde foi diretor de arte. Foi também diretor de arte e diretor criativo da Nova. Depois Bates Portugal, Bates Red Cell e Y&R Group onde é atualmente director criativo executivo e partner.

É o sócio nº1 do CCP, Clube de Criativos de Portugal, do qual foi um dos fundadores. Foi o criativo que representou o CCP como board member do Art Directors Club of Europe. Jurado no Eurobest, FIAP, AdPrint, ADCE e NY Festival. Presidente do júri na categoria de Imprensa em Londres no ADCE e presidente do Júri do 6º Festival do CCP. Premiado em vários festivais internacionais: Cannes Lions, Eurobest, NY Festival , Montreux, Cresta, FIAP, El Ojo, Para além de 2 Grandes Prémios ganhos no Festival do Clube de Criativos de Portugal ganhou também o Prémio de Melhor Director de Arte do CCP durante 3 anos consecutivos. Tem 3 filhos luso-holandeses, vive em Carcavelos e continua a visitar o Bonfim e a sofrer pelo Vitória FC.

Fechar
E-mail
Helder-a-trabalhar

Hélder Pombinho

Diretor Criativo de Brand Design

Diretor Criativo de Brand Design na Young&Rubicam desde Abril 2013. Anteriormente foi líder da equipa de Brand Design na Brandia Central desde Novembro de 2006 até Maio de 2013.

Ler mais

Diretor Criativo de Brand Design na Young&Rubicam desde Abril 2013. Anteriormente foi líder da equipa de Brand Design na Brandia Central desde Novembro de 2006 até Maio de 2013.

Foi graduado em Design de Comunicação pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa em 1996.

Em 1997 foi contratado pela EURO RSCG Design (HAVAS group) como designer tornando-se diretor criativo a partir de 2001. Foi durante este período que encontra a sua vocaçãoo como criador de Marcas.

Ao longo da sua carreira encontramos inúmeros exemplos da sua experiência na criação e gestão de Marcas:UEFA EURO 2004™, TMN, CONTINENTE, MONTEPIO, RTP2, BANIF.

Como líder do Brand Design na Brandia Central, foi responsável por equipas e projectos multidisciplinares que envolvem diferentes competências como Brand strategy, Brand Design, Arquitectura, Design Industrial, Digital, para Marcas de dimensão internacional, tais como: TEFAF Maastricht (The European Fine Arts Fair), UEFA EURO 2012™, UEFA EURO 2016™, FIFA World Cup 2018™ Russia.

Foi distinguido com inúmeros prémios enquanto designer e director criativo. A equipa de Brand Design da Brandia Central por si liderada foi eleita inúmeras vezes como agência de Design do ano por diferentes festivais.

Ao longo da sua carreira foi Juri em diferentes festivais de criatividade em Portugal. Em 2008 foi Juri no Eurobest realizado em Estocolmo, Suécia. Em 2010 e 2014 foi president do Juri de Design no festival do  Clube dos Criativos de Portugal.

Vive com a sua mulher e três filhos em Palmela, e para além da sua família adora criar Marcas, viajar, desenhar, ver e jogar futebol.

Fechar
E-mail